segunda-feira, agosto 04, 2008

Estratégia

O homem que atinge o domínio da vida, isso é, o domínio de si mesmo, de suas ações e palavras, sabe que construirá o próprio destino. No entanto há de saber também que determinados objetivos só se tornam possíveis se o homem preenche-se de vontade e habilidade para fazer o que quiser.

Remanescem em suas mãos as ferramentas de que precisa para ir na direção certa. Strategos, do grego, significa o Líder do Exército. Na patente do Exército Helênico moderno é o cargo mais alto. Significa de fato o domínio e é o que empresas e pessoas de todas as partes utilizam para criar o seu próprio futuro.

O desenho da obra praticamente a define. Para torná-la um todo sistêmico, é preciso arregimentar hipóteses e definir as métricas do que nos dispusermos a criar, desenhar e fazer. Por vezes fazer é necessário para uma criação. Outras vezes, uma criação pode surgir na mente e tornar-se real sem que a façamos, pois a mente cria oportunidades que vão além de nossa imaginação e controle. Por isso deve-se ter cuidado com o que se pensa!

Usar sabiamente a visão estratégica significa ter os olhos pensando em soluções. Mas também significa que você acredita que aquilo dará certo. Muitas vezes num longo prazo ou até mesmo em prazos ainda maiores e inesperados. Ainda que você não saiba muito bem o que vai acontecer -- ninguém sabe --, seja você mesmo, admita que é divino e saiba que os seus planos darão certo, pois darão.

Mas e os percalços do caminho? Ora, os percalços não podem ser definidores de estratégias. Os que criam estratégias a cada obstáculo certamente não chegarão a lugar algum. Em verdade, não se deve nunca perder o objetivo verdadeiro, pois se criamos estratégias a cada obstáculo a esse objetivo, esqueceremo-nos do essencial.

Os obstáculos podem atrapalhar algumas metas, no entanto não se deve perder nunca a direção. O Leste tem um lado e isso tem um motivo: é o lado em que o Sol nasce. E nessa onda de dias e noites muitas vezes esquecemo-nos de nossas direções. Devemos orientar-nos aos desafios verdadeiros, que são aqueles que valem a pena. E nem tudo vale a pena.

É perder tempo criar estratégias para antigas lutas que já perdemos ou para inimigos que não trazem um verdadeiro propósito. Nós devemos ser os verdadeiros inimigos e amigos de nós mesmos. Pois assim podemos encontrar em nós os defeitos que temos e usá-los contra eles próprios a ponto de melhorarmos!

Efusivas luzes poderão atingir os seus olhos ao perceber que o controle de sua vida está nas suas mãos. A liberdade é algo de que todos dispomos em nossos dias, faltando-nos apenas nas horas de tristeza e frustração, em que nos prendemos em nós que não desatam. O desenlace só se dá quando se possui a alegria e a vontade de atingir o grande objetivo.

São duas grandes estratégias e seis outras menores que compõem um sistema perfeito. Ele é claramente demonstrado por diversas tradições e transcende a nossa compreensão. A primeira estratégia é Amar a Deus. E isso compreende entender que Deus está em tudo, inclusive em nós mesmos, que podemos sentir a essência de sua criação nesse mundo tridimensional que conhecemos. A isso chamamos fé, no que colocamos a nossa esperança. A segunda é amar ao Próximo como se ele fosse você. Isso significa conhecer o divino que há no outro. A isso chamamos de amor, a grande estratégia da natureza.

As outras seis são grandes recomendações. Porque disposto desses dois nobres sentimentos agora conhecidos, falta pouco para montar uma estratégia de sucesso.

A primeira recomendação é a da consciência: ela deve ser escutada. E isso significa saber falar e saber calar. E reconhecer que o que dizemos ou pensamos ecoa no universo. A segunda é a do conhecimento. Conheça a você mesmo e o mundo que o cerca de todas as maneiras possíveis. Aprecie tudo com os cinco sentidos. Assim saberá notar a construção do seu destino com maior apreço. A terceira é a do tempo. Conheça o seu dia e aproveite-o com alegria. Saiba dividir bem o seu tempo para poder construir melhor a sua vida. A quarta é a da retidão. O pensamento correto e a atitude correta transformam o homem e permitem que ele tenha acesso a novas virtudes e novos sentidos, além dos cinco habituais. Além disso, na vida, o caminho da retidão traz, no fim, muito mais resultado do que o caminho incorreto. A quinta é o desenho. Sempre tenha a imagem do que você deseja bem definida, para que aconteça da exata forma que você desenhou. E mantenha os preceitos básicos para que tudo se manifeste com perfeição. E a sexta é a da sabedoria. Desse ponto em diante, o homem é totalmente livre e consegue construir o que quiser.

A sabedoria é um grande instrumento da arte real da construção da vida. Resida em si mesmo com essa vantagem e você poderá fazer de sua vida o que quiser. Tenha ternura e todas as virtudes que encontrar em sua vida. E, em suas estratégias, procure sempre perder muito tempo na busca da Verdade, pois ela não deve nunca ser abandonada. No final a encontraremos no caminho.

Assim seja.

Um comentário:

Andre V disse...

Há muito tempo não lia um post tão bom. Parabéns pelo blog Léo.