segunda-feira, outubro 30, 2006

Desenhando

O desenhar das idéias usa a folha do instante
em que caminhos adversos são trilhados.
Filosófico ou poético, sábio ou ignorante
um ideal só sobrevive se gravado.

Letra a letra, vogais e consoantes
na eterna busca pelo significado.
Mas os que lêem não visualizam,
os que ouvem não sonham,
e a verdade fica sempre de lado.

Não há palavra mágica ou expectativa inserida
num sonho deslumbrante, ou num achado
arqueológico de antanho, ou na regressão da vida.
Pouco se sabe além do esperado.
Formar frase é de nada; juntar palavras, temerário:
O tempo sempre corre no sentido horário.

No amor as vogais são muito mais pronunciadas
letra a letra, claramente, ao pé do ouvido.
Consoantes só ligam as vogais declaradas
pelo amor na hora audaz do gemido.
Não há palavra formada sem vogais e consoantes,
nem amor que não valha nada.

O amor tem duas vogais e duas consoantes.
E duas idéias, dois trejeitos, duas virtudes.
Tem dois lados, dois corações e amiúde
duas folhas desenhadas num só instante.

2 comentários:

Patty Marie Jones disse...

Texto muito bonito.

Bonito, que assim como amor tem igual número de vogais e consoantes. Expressam uma simetria que náo vou chamar de perfeita porque ela é feita de pequenas imperfeições que dão charme.

Primeira vez que reparo na descrição do blog. Muito bom. Texto - agora sim - perfeito para o espaço.

Bjinhs

William WWW disse...

Eis os caminhos da escrita. Transcrever promove a comunicação visual.Eis os símbolos, as regras, as excessões. Ah, as excessões!!!